Prescrição médica de hidroxicloroquina cresce mais de 800% durante pandemia, diz pesquisa - BEREU NEWS

Últimas Notícias

Post Top Ad

Quer alavancar seu empreendimento? Anuncie sua marca aqui

Post Top Ad

ANUNCIE SUA EMPRESA CONOSCO

30 de julho de 2020

Prescrição médica de hidroxicloroquina cresce mais de 800% durante pandemia, diz pesquisa

Um levantamento feito pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) mostra que a prescrição médica de cloroquina e hidroxicloroquina cresceu mais de 800% neste ano, mesmo sem eficácia científica comprovada para pacientes com coronavírus. 
Segundo os dados do CFF, os primeiros cinco meses de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado, o aumento foi de 676,89% para a cloroquina e 863,34% para a hidroxicloroquina. A primeira passou de 238 para 1.849 prescrições nos cinco primeiros meses deste ano, enquanto a segunda droga saltou de 1.978 para 19.055 em 2020. 
Prescrição médica de hidroxicloroquina cresce mais de 800% durante pandemia, diz pesquisa
A pesquisa teve como base a plataforma Memed, usada por médicos para fazer prescrição digital ao paciente. No ano passado, o sistema contava com 60 mil médicos cadastrados e neste ano, a plataforma dobrou, com 120 mil profissionais.
O CFM autorizava a prescrição da cloroquina em três situações: o medicamento era recomendado para paciente com sintomas leves, em início de quadro clínico e diagnóstico confirmado; era válido para paciente com sintomas importantes, com ou sem recomendação de internação; para quadros críticos na UTI, em ventilação mecânica.
DROGA NÃO FUNCIONA
A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou em 17 de junho que decidiu interromper experimentos com hidroxicloroquina para tratamento de Covid-19 no estudo Solidarity, realizado em vários países, com pacientes hospitalizados.
Uma pesquisa feita pelos maiores hospitais do Brasil mostrou que a hidroxicloroquina não tem eficácia em pessoas que contraíram o novo coronavírus e apresentam quadro leve ou moderado da doença. O resultado foi publicado no dia 23 de julho no jornal New England Journal of Medicine.
Dentre os pacientes, 217 receberam hidroxicloroquina e azitromicina, enquanto 221 receberam só a hidroxicloroquina e 227 não tomaram nenhuma das duas drogas. Segundo a Folha de S. Paulo, 15 dias depois, 69% do primeiro grupo, 64% do segundo e 68% do terceiro já estavam em casa sem limitações respiratórias, o que mostra que tomar o medicamento não fez nenhuma diferença significativa. O
número de mortes dos infectados ficou em torno de 3% em todas as três equipes.

Nenhum comentário:

Post Top Ad

Anuncie conosco