SEM EXPECTATIVA: Juliette solicitou auxílio emergencial antes de entrar no BBB 21 - BEREU NEWS

Últimas Notícias

Post Top Ad

ANUNCIE SUA EMPRESA CONOSCO

09 abril, 2021

SEM EXPECTATIVA: Juliette solicitou auxílio emergencial antes de entrar no BBB 21


Advogada e maquiadora, Juliette Freire não imaginava ao entrar no BBB 21 sua vida mudaria tanto. Não só na fama, agora a paraibana deve afastar as dificuldades financeiras que vinha enfrentando antes de participar do programa.

Atualmente, com diversos convites para ser garota-propaganda de diferentes marcas após o reality, ela já precisou pedir dinheiro emprestado e solicitou o auxílio emergencial, do Governo Federal. A revelação foi feita por sua amiga Deborah Vidjinsky.

- Muita gente questiona e não entende, mas ela é advogada que estuda para concursos. Eventualmente, ajuda algum amigo. Ela não está em escritório. Juliette não vive disso, sua renda é com maquiagem. Desde 2019, caiu muito o movimento em salões, porque a gente entrou num momento ruim da economia. Maquiagem é um supérfluo, a primeira coisa que a pessoa corta. A gente ficou sem atender durante seis meses. Em outubro, voltamos e trabalhamos até dezembro. Não temos vínculo com empresa, então passamos esses tempos sem perspectiva. A reservinha que tínhamos foi gasta no começo. Depois a coisa foi apertando. Tivemos que entregar a sala onde montamos nosso estúdio em João Pessoa. Éramos quatro maquiadoras. A gente dividia as despesas. O aluguel era de R$ 2.600, fora energia, internet... Foi bem complicado. Então, a Juliette deu entrada no auxílio para poder segurar a onda. Ela chegou a passar uma temporada em Campina Grande, na casa da mãe, porque estava difícil pagar tudo, fazer feira... O auxílio ajudava no aluguel do apartamento que ela dividia com uma colega. Ela chegou a pedir dinheiro emprestado a outras amigas também para ir driblando a situação.


A também maquiadora, hoje cuida das redes sociais da amiga famosa, e já montou uma equipe de 18 pessoas para dar conta dos quase 20 milhões de seguidores, em apenas uma rede social. - Ninguém trabalha só com isso. Se fosse em agência, umas seis ou sete pessoas dariam conta. Mas cada um tem seus clientes, o designer tem, o redator tem... Então, precisamos de muita gente mesmo para dividir tudo e ter toda essa dinâmica nas redes, com uma frequência de postagens. Por enquanto, está todo mundo fazendo de boa, contando que, quando ela sair e assinar o primeiro contrato, conseguirá pagar pelo trabalho - explica.

Nenhum comentário:

Post Top Ad

Anuncie conosco