COMO A PANDEMIA ACABA?: Bahia tem 1,3 mil festas e paredões encerrados em 3 meses - BEREU NEWS

Últimas Notícias

Post Top Ad

ANUNCIE SUA EMPRESA CONOSCO

24 maio, 2021

COMO A PANDEMIA ACABA?: Bahia tem 1,3 mil festas e paredões encerrados em 3 meses

Aglomerações estão proibidas durante pandemia; multa por poluição sonora chega a R$ 168 mil 


Segundo a moradora de Itapuã, antes da pandemia, o paredão acontecia na Praça Dorival Caymmi. Mas, com a intensificação das operações de combate à poluição sonora da prefeitura, como medida de enfrentamento à covid-19, o paredão foi transferido para a Rua Presidente Vargas, que fica na localidade conhecida como Baixa da Gia. “Desde então, não tivemos paz. Dorme à noite nas sextas é um milagre!”, disse. 


Em Salvador, Itapuã é o bairro líder em denúncias de poluição sonora, de acordo com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur). Das 11.937 denúncias feitas ao órgão entre janeiro e maio de 2021, 353 delas foram para o bairro de Vinícius de Moraes. O segundo no ranking é Paripe (320), seguido de Pernambués (302), Boca do Rio (289) e Liberdade (280). No total, 422 equipamentos de som foram apreendidos. No mesmo período do ano passado, foram registrados 19.348 casos.  


A moradora contou que responsáveis pela promoção da “festa” começam a fazer a divulgação no início da semana nas redes sociais. “Espalham cards sem muito detalhe e só um número para as pessoas saberem o dia e o horário”, contou.  A bagaceira tem começado sempre a partir das 22h, bem no horário do toque de recolher estabelecido pelo governo do estado. A depender da quantidade de gente, vai até 07h, 08h até 10h do sábado. De acordo com ela, na última sexta do mês de abril, havia um público de 500 pessoas embaladas não somente pelo som grave que saia das porta-malas de três carros.  


“Nessas festas vem gente de todo o canto e de todo o tipo. Vem o pessoal de Itinga, Bairro da Paz, Alto do Coqueirinho, Fazenda Cassange, gente de Cajazeira, são jovens, muitos adolescentes, em busca de bebida, sexo e drogas”, declarou.  Ela disse que já perdeu as contas de testemunhar situações indelicadas em frente à sua porta. “Já presenciei casais brigando, fazendo sexo, pessoas consumindo cocaína, vomitando... Certa vez, uma menina passou tão mal, vomitava tanto, que abri a porta e dei água para ela, porque, apesar de tudo, tenho filho adolescente e a gente se compadece”, contou a moradora.  


Um outro morador da rua entrevistado pelo CORREIO disse que certa vez pediu para um dos responsáveis pelo paredão que diminuísse o volume do som. “Naquele dia, no segundo semestre do ano passado, estava impossível ficar em casa. Parecia que as paredes iam desabar e precisava dormir, pois ia trabalhar cedo. Fui até lá e pedi educadamente para que o dono diminuísse, mas ele não só negou, como tirou foto minha e de minha casa, como forma intimidação. Então, liguei para a polícia, que acabou a bagunça. Mas, na semana seguinte, tinha outro paredão lá”, contou.    


São Tomé de Paripe 

O problema dos paredões é sentido também por quem mora na outra ponta de Salvador. Em São Tomé de Paripe, região do subúrbio, o bicho pega aos sábados. A orla à noite é toda por carros, que muitas vezes já estavam ali durante o dia. “Essa turma se reúne para beber 15h, 16h. Começa com três, cinco, depois já tem 10, 15. Quando chega à noite, vira um Carnaval de gente. As pessoas tomam a rua de uma forma, que os moradores sequer conseguem sair de suas casas. Tirar o carro da garagem é impossível”, contou um morador. 


Ele relatou que é comum em dias de paredão atravessar o mar de gente carregando um vizinho que passou mal porque a ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) não consegue chegar ao endereço informado. “Eles não deixam a ambulância passar, ameaçam quebrar tudo e quem sofre somos nós. A polícia chega, dispersa tudo mundo, mas basta as viaturas saírem, para voltar tudo novamente”, contou.  


Pernambués 

Quem mora em Pernambués raramente consegue um boa noite de sono nos finais de semana.  Isso porque moradores da Rua Escritor Edison Carneiro é tomada por carros de som estacionados próximo de um estabelecimento, o Pastel da Say.   Segundo os moradores, a situação se repete há várias semanas, sempre nas madrugadas de sexta a domingo, o que impossibilita o sono de crianças, idosos e qualquer pessoa que more próximo ao local de onde os paredões estrondam seus poderosos aparelhos de som. “E para completar, no dia seguinte é uma porcaria só. As portas das casas e do comércio ficam com um fedor de mijo, vômito, até fazes já encontramos. Copos plásticos, garrafas, camisinhas, droga espalhada. Um caos”, disse mais uma moradora entrevistada pelo CORREIO.   


Tráfico 

De acordo com uma fonte da Sedur, a grande maioria das denúncias de paredões tem relação com o tráfico de drogas. Ou seja, traficantes estariam por trás financiando essas aglomerações. “Isso foi o que nós constatamos. Por conta da pandemia, as festas foram proibidas como medida de combate à proliferação do vírus. Logo, o tráfico viu nas festas de paredão, que já acontecia antes, mas em menor frequência, a forma de escoar a droga”, disse a fonte.  


A fonte disse que exemplos não faltam. “Certa vez, um comboio da Polícia Militar foi recebido a tiros no Arenoso, quando foi para encerrar um paredão que tinha mais de mil pessoas. No complexo do Nordeste de Amaralina e em São Caetano também tivemos casos semelhantes. A gente vem percebendo o aumento das aglomerações como forma do tráfico tirar o prejuízo nessa pandemia. Logo, é possível encontrar um monte de gente armada. Os vídeos e fotos que circulam nas redes sociais estão aí para mostrar tudo isso”, disse o agente.    


Ele falou ainda que os relatos das pessoas que não obrigadas a conviver com os paredões são desesperadores. “São moradores de bem, que trabalham o dia inteiro e que precisam de paz para começar o dia seguinte, pessoas com avós em casa, parentes doentes, gente que não tem para onde ir e que vai na Sedur se acabando no choro porque não aguenta mais. Gente dizendo que está à beira de cometer uma loucura. Fazemos o que podemos. Vamos até o local com a polícia. Mas basta a gente dar as costas e começar tudo de novo. Tivemos relatos de pessoas que abandonaram suas casas”, contou. 


Fiscalização 

A subcoordenadora de fiscalização sonora da Sedur, Márcia Cardim, ressalta que os paredões são proibidos de ocorrer com ou sem pandemia. Seja por paredes de som, ou no porta-malas de veículos. Já em um contexto pandêmico, nenhum som em via pública está permitido.  


“Nenhum tipo de som em logradouro público está sendo autorizado, independentemente de ser caixa de som ampliada, veículo com som pequeno, não pode. Também não pode festa, independentemente do índice sonoro, do número de pessoas. Passou de 22h, a gente solicita que o cidadão se recolha, por conta do toque de recolher. Se não tiver passado de 22h ainda, a gente orienta sobre o uso de máscara, distanciamento, conversa e dispersa as pessoas e a aglomeração”, esclarece Cardim.  


A penalidade pode variar de R$ 1.068 a R$ 168 mil. Se a pessoa cometer o crime mais de uma vez, pagará o dobro da primeira multa. “Autuamos o infrator pelos índices a depender do permitido ou pela falta do alvará. Ele só pode retirar o bem após o pagamento da multa ou se houver nulidade do processo, por algum vício. O valor da multa varia a depender do local, horário, altura do som, dos decibéis acima do permitido, de acordo com a tabela dentro da lei”, orienta.  


Além da multa, a pessoa é conduzida à delegacia por desrespeitar “o sossego e ordem pública” e por “crime ambiental”, e responderá criminalmente. Os bairros mais denunciados são os periféricos, como já mencionado. Porém, a Pituba, por exemplo, está em oitavo lugar no ranking. “Na Pituba, temos maior incidência de bares e residências, e não paredões. Em cada bairro, acaba mudando a configuração da denúncia”, detalha Márcia. 


Na Liberdade, as igrejas são o principal foco de poluição sonora. “A Liberdade é um bairro com um número muito grande de igrejas, geralmente, de pequeno porte, que utilizam equipamentos de banda, microfonia, não têm alvará, e acabam incomodando as pessoas da redondeza”, exemplifica.  


As fontes mais denunciadas por barulho, no geral, são os veículos - mais de 90%. Porém, houve um aumento das denúncias em residências na pandemia. “Por conta de as pessoas ainda estarem em isolamento, elas acabam extrapolando as atividades sonora. Outro fenômeno que cresceu foram as chácaras e residências locadas para eventos, que são registradas como residência, mas, pela frequência das festas, não é mais residência, e sim casa de festa”, ressalta.  Os dias mais frequentes dessas festas e aglomerações são de sexta a domingo.  


Ela relembra que, além das atividades sonoras em vias públicas estarem proibidas, somente os estabelecimentos comerciais que têm alvará sonoro podem promover som ao vivo e com restrições: até às 21h30, com apenas duas pessoas na banda, e índices de decibéis até 60 entre 22h às 7h, e até 70db de 7h às 22h. Eventos com venda de ingresso estão igualmente proibidos e o limite para casa de festas é de 50 pessoas, respeitando-se o distanciamento de 1,5 metro.  


Ela também faz um apelo para que essas aglomerações não ocorram. “Se o cidadão não ajudar, por mais equipes que a prefeitura coloque nas ruas, para combater a poluição sonora, acaba tendo um retrocesso, como agora, com os casos aumentando e a ocupação dos leitos de Uti [Unidade de Terapia Intensiva]. Tem quer consciência neste momento”, alerta a subcoordenadora.  


São 42 pessoas na equipe da Sedur para combater os focos de poluição sonora em Salvador, uma cidade de 693,8 km². Ou seja, cada fiscal é responsável por uma área de 16,5 km², o equivalente a dois campos de futebol. Para denunciar aglomerações, festas e paredões, o canal da prefeitura é o Disque 156. Também é possível denunciar pelo 190, diretamente com a Polícia Militar.  


Aglomerações aumentaram número de casos 

A coordenadora do Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes) da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), Izabel Marcílio, vem notado um aumento das aglomerações e uma redução dos índices de isolamento social em Salvador e na Bahia como um todo. “Dá para perceber no engarrafamento, nos comércios que funcionam de portas fechadas e em bares e restaurantes que vendem cerveja após o horário permitido”, pontua.  


Ela pondera, contudo, que não são só os paredões que são o foco de transmissão para o vírus. “Se fosse só paredão o problema da pandemia, a gente só teria pessoas de uma classe mais baixa infectada e nos hospitais, e isso, em nenhum momento, aconteceu. Se houver aumento dos casos nos finais de semana, é por conta dos paredões, das festas privadas em condomínios de luxo e dos encontros familiares”, alerta.  


“Qualquer festa, mesmo com a família, ou um batizado numa igreja, que é ainda pior, porque é em local fechado, é uma aglomeração. E começamos a ver um aumento 15 dias após o evento. Não podemos constatar em relação aos finais de semana, mas, quando ocorrem feriados, como foi o da Semana Santa, já vemos o espalhamento da doença”, reforça.  


Isso ocorre porque, o novo coronavírus, é uma doença de “característica explosiva”, porque, casa pessoa transmite para outra, em cadeia, explica Izabel, que é média epidemiologista. É diferente, por exemplo, da dengue, ou zika, em que é necessário um vetor para espalhar a doença. O contágio pela covid-19 é majoritariamente respiratório. 


O professor do Instituto de Saúde Coletiva (Isc) da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Márcio Natividade, doutor em saúde pública e integrante da Rede Covida e do Geocombate, grupo de pesquisa da Ufba voltado para analisar o comportamento da pandemia nos bairros de Salvador, avalia que esses tipos de eventos vão de encontro a todas as recomendações sanitárias. 


“Estamos lidando com um vírus de alto potencial de transmissibilidade, então, quanto mais pessoas próximas, maiores as chances do vírus circular com maior força", explica. “Os jovens, das faixas etárias menores de 30 anos, estão tendo maiores ocorrências de casos, justamente por conta disso, não há uma total noção do risco, diferente dos adultos”, avalia.  


A contaminação reflete na taxa de ocupação de leitos de Uti, nas taxas de hospitalização, óbitos, novos casos e casos ativos, segundo ele, por conta da facilidade do contágio - aumentado pelas novas variantes. “As pessoas vão se infectado, transmitem para seus familiares em casa, alguns deles, idosos e com comorbidade, agravam e, gera o efeito cascata, porque muitos não conseguem leitos, lotam as UPAs [Unidades de Pronto Atendimento], e isso aumento o número de óbitos”, esclarece.  


De acordo com Natividade, os bairros periféricos são os que mais registram paredões, mas não são o único foco de contaminação da doença. Ele observa que principalmente no distrito de Beiru e Cabula, Liberdade e Centro Histórico, há um aumento dos casos, hospitalização e mortalidade, que foi acentuado nos últimos meses, desde fevereiro de 2021. Ele sugere que haja uma prevenção desses eventos ocorreram, para evitar o acontecimento das festas.  


De onde vieram os paredões? 

Os paredões surgiram em 1940, dos povos africanos, segundo Mariana Bittencourt, mestra em antropologia pela Ufba. “A festa paredão surge como uma herança cultural de povos africanos em diáspora, sobretudo na Jamaica. Desde a década de 1940, existem sistemas de som como organizadores da vivência coletiva, principalmente nos bairros de periferia da Jamaica”, explica. 


No Brasil, essa cultura se disseminou nos anos 2000 como parte da sociabilidade da juventude, em maioria, periférica. Na Bahia, prevalece o pagode, mas, em outros estados, como o Rio de Janeiro e São Paulo, o funk é o ritmo mais consumido.  


Além disso, os paredões existem pela proximidade geográfica e limitação da juventude negra no acesso ao entretenimento. “A lógica de existência desses paredões, sobretudo pela posição socioeconômica da juventude mais pauperizada de Salvador, também com as relações raciais que demarcam essa cidade, é vinculado ao acesso e ao consumo de entretenimento. E, pela possibilidade de ter esse entretenimento em sua localidade, através do sistema de som, na rua, onde tem também movimentação do comércio local, de bebida, de comida”, detalha Mariana.  


A antropóloga ratifica, assim como foi afirmado por Márcio e Izabel, que os paredões não são os únicos responsáveis pelo aumento dos números de pandemia. “O paredão não é o único que tem violado os princípios de distanciamento. Existem outras classes sociais e outros tipos de festa, por outro tipo de público, que está a fim de sociabilizar”, pondera.  


Aliado a isso, ela ressalva que, a classe trabalhadora informal, não teve o direito de estar em quarentena, então é mais difícil assimilar que aglomerações sejam possíveis. “A classe trabalhadora não parou durante a pandemia, não houve o direito de quarentenar, como em outros meios sociais. Os trabalhadores de transporte público, de segurança, de mercado, de mercado informal, permaneceram trabalhando e a visão sobre não aglomerar é quase inexistente. O paredão é mais um dispositivo de fuga”, completa Bittencourt, que fez uma tese de mestrado sobre o sistema de som de Salvador.  


O Correio procurou a Guarda Civil Municipal e a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), que informaram que seriam com a Sedur. A PM-BA não fornecer fonte para a matéria.   


Bairros com maior número de denúncias por poluição sonora em Salvador (fonte: Sedur) 

Número de denúncias - 11.937 

Itapuã – 353 

Paripe – 310 

Pernambués – 302 

Boca do Rio – 289

Liberdade – 280  

Equipamentos apreendidos – 422  

Período: 01.01.2021 a 18.05.2021 


*Jornal Correio

Nenhum comentário:

Post Top Ad

Anuncie conosco