Paciente é esquecida em máquina de ressonância magnética em clínica no Itaigara

Após o exame, advogada foi deixada no aparelho por 10 minutos


Uma mulher foi esquecida dentro da máquina de ressonância magnética por cerca de 10 minutos, no último domingo (13), na clínica Delfin, no Itaigara. Após realizar o exame, a advogada Laura Nogueira, de 48 anos, percebeu que havia sido esquecida dentro da máquina. Com somente o corpo do joelho para baixo de fora do equipamento, Laura, que estava sozinha na sala, gritou e balançou as pernas para chamar a atenção dos funcionários da clínica.

Devido as constantes dores na coluna, Laura está acostumada a fazer o exame para checar a região, e, por experiência própria, ela sabe o momento em que o exame termina. Nesta ocasião, a advogada estava na expectativa de ser retirada da máquina, mas ninguém apareceu.

"Terminou e ficou um silêncio na sala. Me desesperei. Apertei aquela bombinha de segurança e ela não tocou", contou Laura ao Metro1. A bombinha de segurança é um aparelho dado ao paciente no momento em que ele entra na máquina, que serve para acionar a equipe médica, caso ele sinta algo.

Dez minutos após o exame ter sido finalizado, os funcionários da clínica apareceram na sala. De acordo com Laura, eles estavam atordoados.

Além da situação, a advogada também se queixa sobre o atraso do procedimento, que estava marcado para 10h30, e, só foi realizado por volta das 12h.

A clínica Delfin ainda não se pronunciou sobre o caso.

Poste um Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem