Em 15 meses, Moro abriu mais inquéritos de crimes contra Bolsonaro do que nos governos FHC, Lula, Dilma e Temer juntos - BEREU NEWS

Últimas Notícias

Post Top Ad

Anuncie Aqui

25 de abril de 2020

Em 15 meses, Moro abriu mais inquéritos de crimes contra Bolsonaro do que nos governos FHC, Lula, Dilma e Temer juntos

[Em 15 meses, Moro abriu mais inquéritos de crimes contra Bolsonaro do que nos governos FHC, Lula, Dilma e Temer juntos]

O ministro da Justiça, Sergio Moro, deixou o governo Bolsonaro após 15 meses, com acusações de tentativa de interferência política no trabalho da Polícia Federal e, sendo acusado de condicionar a troca na diretoria da PF por uma indicação ao Supremo Tribunal Federal (STF). No entanto, apesar da discrição desde o início da crise do novo coronavírus, o ministro foi atuante na defesa ao presidente da República.
Em quase um ano e meio de governo, Moro pediu a abertura de 12 inquéritos de crimes contra honra de Jair Bolsonaro, mais do que foi pedido pelo Ministério da Justiça nos governos de FHC, Lula, Dilma e Temer juntos. De acordo com o The Intercept Brasil, o pedido de abertura de inquérito de um cartaz de um festival de punk rock no Pará foi apenas um dos 12 feitos pelo ministro.
O The Intercept teve acesso ao número de pedidos feitos nos últimos 25 anos e constataram que em nenhum outro governo, desde FHC, chegou perto da quantidade de investigações de crime contra a honra do atual líder do Palácio do Planalto. Outro caso que ganhou repercussão foi a queixa-crime contra Lula, que em seu discurso após deixar a prisão em 2019 afirmou que Bolsonaro governava para milicianos.
Na era FHC, não foi aberta nenhuma investigação semelhante. O número foi crescendo gradativamente: no governo Lula, foram dois inquéritos; 3 no governo Dilma Roussef e 4 na era Michel Temer, que durou somente dois anos. 
Uma das justificativas de Jair Bolsonaro pela saída de Maurício Valeixo do comando da PF e consequente demissão de Sergio Moro, foi a falta de empenho nas investigações contra a tentativa de homicídio sofrida quando era candidato à presidência, por Adélio Bispo. Apesar de ter sido atestado que o acusado tem transtorno delirante persistente, Bolsonaro alegou mais de uma vez em seu discurso nesta sexta-feira (24) que havia um mandante do crime: “Quem mandou matar Jair Bolsonaro?”.

Post Bottom Ad

Anuncie Aqui

Páginas