Corregedor da polícia civil é flagrado indo para academia de ginástica com viatura da SSP


O delegado e corregedor da Polícia Civil, Jackson Carvalho da Silva, foi flagrado utilizando uma viatura descaracterizada da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), para ir à academia de ginástica. A utilização de viatura para fins de atividades particulares é enquadrado pela Lei Orgânica da Polícia Civil como infração funcional, previsto penalidades que podem levar advertência, suspensão e demissão.   


Lotado na Corregedoria Geral da Polícia Civil, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), o corregedor Jackson pode ser visto diariamente chegando com a viatura no primeiro horário do dia, na academia em Lauro de Freitas. A utilização de viaturas para uso particular é uma prática contumaz entre alguns delegados da cúpula.    


Conforme a Lei Orgânica no seu art. 90, constituem-se faltas disciplinares: fazer uso indevido de arma ou equipamento que lhe tenha sido confiado para o serviço e utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição em serviços ou atividades particulares, próprios ou de terceiro, ou autorizar outrem, subordinado ou não, a fazê-lo. 


Atuando como corregedor Jackson Carvalho é um verdadeiro inquisidor e carrasco, acusando e punindo colegas, investigadores e escrivães. Com a Corregedoria da Polícia Civil (Correpol), repleta de denúncias de assédios morais e sexuais feitas por investigadores e escrivães contra delegados, até então nenhum denunciado foi punido graças ao corporativismo institucional que protegem seus pares. 


O certo é que dificilmente o "poderoso" corregedor irá sofrer qualquer tipo de penalidade, já que o uso de viaturas para fins pessoais por parte de alguns delegados já não é mais visto como ação ilícita. Dentre outras denúncias que já foram registradas, vários são os motivos para o bom uso da viatura: ir para academia, ao mercado, levar o filho a escola, levar o cachorro ao veterinário, buscar a esposa no salão, e como não podia faltar fazer uma visitar de médico na casa da amante nos dias de plantão, ou seja, utilizando sempre a viatura da polícia para seu bel-prazer.     


Túnel do Tempo


Em 2005, Jackson Carvalho da Silva, como titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Feira de Santana, foi o responsável por denunciar um esquema envolvendo delegados, investigadores e peritos, que se apropriavam de carros roubados e utilizavam como chapas frias. Entre os delegados denunciados estavam Artur Gallas, atual Coordenador da Polinter e Hélio Jorge da Paixão, atual Subsecretário de Segurança Pública da Bahia.    


No final, a denúncia do delegado legalista Jackson Carvalho da Silva foi parar no Ministério Público da Bahia (MPBA), que de lá encaminhou para a SSP e acabou arquivando o caso no sarcófago ou "Sala Secreta" onde nem a ética ousa a entrar. 


RX Notícias

Poste um Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem