Coronel acusado de assédio se torna réu pelo mesmo crime com outra PM

Coronel da PM recebeu acusações de assédio e ameaças a ex-soldada Jessica Paulo do Nascimento no ano passado


Cássio Pereira Novaes, coronel da Polícia Militar denunciado por assediar sexualmente e ameaçar a ex-soldada Jessica Paulo do Nascimento no ano passado, se tornou réu em outro processo do mesmo cunho. Dessa vez, uma soldada identificada como Isabela acusa o superior de ter cometido quatro crimes: assédio sexual, ato libidinoso, ameaça e constrangimento ilegal.

A denúncia foi feita pelo Ministério Público e encaminhada ao Tribunal de Justiça Militar de São Paulo (TJMSP), onde o inquérito corre em segredo de Justiça. No dia 5 de maio de 2022 deve ser realizada uma audiência em que as partes serão ouvidas.

 

Conforme apurou a reportagem, a soldada Isabela teria enfrentado o mesmo tipo de situação que Jessica. O comandante, em mensagens explícitas de áudio e texto enviadas por WhatsApp ao seu telefone, teria por diversas vezes se insinuado sexualmente, e também feito ameaças caso ela não cedesse às suas investidas ou contasse sobre elas a alguém.

Apesar de ambas operarem no 50º Batalhão da Polícia Militar Metropolitano (BPM/M), em São Paulo, e eram subordinadas ao então tenente-coronel quando os fatos ocorreram, Jessica e Isabela estavam alocadas não se conheciam.

 

A primeira a denunciar o caso à Corregedoria da PM foi Jessica no dia 2 de abril de 2021, somente três dias antes da acusação feita por Isabela.

Com as investidas do comandante cada vez mais frequentes, junto a ameaças, Isabela relatou os acontecimentos ao seu superior imediato, sargento do batalhão.

Ele, por sua vez, a aconselhou a entrar em contato com um capitão do Comando de Policiamento de Área Metropolitano (CPAM-10), que tomou conhecimento do caso e a encaminhou à Corregedoria da PM. O inquérito policial militar foi instaurado pela 11ª Seção do órgão, em julho do ano passado.

 

Com a conclusão do inquérito, o Ministério Público apresentou a denúncia ao Poder Judiciário no dia 7 de março de 2022. Ela foi aceita pelo juiz em 29 de março e, agora, o magistrado da 3ª Auditoria da Polícia Militar irá sortear quatro oficiais coronéis que formarão o Conselho que irá julgar os crimes, de acordo com as regras da Justiça Militar.

O advogado do coronel Novaes, Anezio Donisete Lino, disse ao UOL que nem ele e nem seu cliente foram citados sobre a denúncia. "De modo que qualquer manifestação será feita em momento oportuno", declarou. A soldada Isabela também não foi localizada para dar mais detalhes do caso.


Julgamento do caso Jessica ocorrerá em breve

Poste um Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem