Header Ads

Homem é acusado de pedir fotos da filha de calcinha; adolescente já havia denunciado irmão por estupro

A adolescente denunciou pai e irmão à Polícia Civil, na cidade de Anápolis, a 55km de Goiânia

 


Uma adolescente de 14 anos denunciou o pai por assédio sexual, na última quinta-feira (4), após o homem pedir que a vítima enviasse fotos dela de calcinha. O caso aconteceu na cidade de Anápolis, a 55km de Goiânia. A jovem também já havia denunciado o irmão, de 20 anos, por estupro. De acordo com o G1, a adolescente relatou que teria ido dormir na casa do acusado quando foi violentada.

 

O pai da adolescente chegou a confessar o crime. Segundo ele, as fotos foram solicitadas durante uma conversa com a filha por aplicativo de mensagem. Já o irmão da adolescente negou o estupro e disse que tratou-se de uma ‘relação consensual’. Segundo a Polícia Civil, os dois acusados não foram presos por falta de provas.

 

Capturas de tela registraram as conversas entre pai e filha e mostram o momento em que o homem pede fotos da filha de roupa intima. “De calcinha, você tem, pode mandar meu amor", escreve o homem, enquanto a filha nega ter as imagens.

 

Em seguida, o homem rebate: "Sei, é claro que tem, meu amor", mas a adolescente se mostra desconfortável com a situação e nega. “Não tenho pai. De onde o senhor tirou isso?", questiona.

 

O homem tenta se justificar: “Nada. Que estou com muito tesão, meu amor. Então você não pode ajudar o pai, ok aí", finaliza.

 

 

 


 

Polícia

Responsável pelas investigações do caso, a delegada Marisleide Santos informou que pretende pedir medida protetiva para a adolescente, bem como o mandado de prisão contra o pai e o irmão da vítima. “O pai confirmou, e estava provado o assédio por meio da mensagem. Ele nega qualquer outro tipo de abuso", relatou.

 

Ainda segundo a polícia, a menina mora com a mãe e teria sido convidada para dormir na casa do irmão no dia em que foi estuprada. A adolescente passou por exames e recebeu atendimento médico. As investigações do caso serão acompanhadas pelo Conselho Tutelar de Anápolis.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.