BEREU NEWS

Quarto policial militar é condenado por extorsão mediante sequestro


Policial militar ficará mais de nove anos na cadeia

Um policial militar foi condenado pela Justiça, na segunda-feira (24), por envolvimento no caso de extorsão mediante sequestro de Marilene Barbosa Costa. O crime ocorreu no dia 22 de agosto de 2021, no Povoado da Lajinha, zona rural de Seabra.

Você viu?  Polícia realiza apreensão de drogas durante abordagem em Conceição do Jacuípe

Juracy Barroso de Jesus foi o quarto policial militar condenado pelo crime, e ele deverá cumprir nove anos, três meses e 21 dias em regime fechado. Além disso, ele perderá o cargo público. A condenação, em segundo grau, acata denúncia do Ministério Público estadual, oferecida pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), revertendo o entendimento da Justiça de primeiro grau, onde o policial havia sido inocentado.

Os outros policiais, que já haviam sido condenados em primeira instância e tiveram as sentenças confirmadas pelo Tribunal de Justiça, foram identificados como Luís Rafael Silva de Souza, Deivison Santana Silva e Robson Cardoso da Silva. Eles já estão presos e irão cumprir mais de nove anos e 11 meses cada um.

Os quatro condenados foram alvos da 'Operação Vindicta' do Gaeco, que, em atuação conjunta com a 2ª Promotoria de Justiça de Seabra, apurou o crime de sequestro de Marilene, com o fim de obterem para si vantagem econômica, como condição do resgate.


O crime

Segundo ao denúncia, o crime teria sido cometido na madrugada do dia 22 de agosto de 2021, por volta das 3h, no Povoado da Lajinha, zona rural, Seabra. A vítima estava em sua casa com seu marido, quando quatro homens, encapuzados e armados, invadiram a casa e, ameaçando a vítima com facas e armas de fogo, exigiram o pagamento da quantia de R$ 100 mil.

A denúncia narra que, quando ela disse ter apenas R$ 45 mil reais em sua conta bancária, foi arrastada pelos denunciados e colocada no banco traseiro de um carro. A vítima foi conduzida a uma localidade erma, na rua Vitorino Borges, onde o carro foi usado como cativeiro. O local fica ao lado da casa de Juracy, e serviu como ponto de apoio para eles durante o crime.

No local, sob ameaças, transferiu dinheiro da sua conta para a de outra denunciada. Os denunciados ainda teriam entrado em contato com o marido da vítima na tentativa de obter mais dinheiro, o que não conseguiram. A vítima foi liberada às 11h nas margens da rodovia federal BR 242.

Postar um comentário

Please Select Embedded Mode To Show The Comment System.*

Postagem Anterior Próxima Postagem

Publicidade 2