Brasil supera 100 mil mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos de imprensa - BEREU NEWS

Últimas Notícias

Post Top Ad

Quer alavancar seu empreendimento? Anuncie sua marca aqui

Post Top Ad

ANUNCIE SUA EMPRESA CONOSCO

9 de agosto de 2020

Brasil supera 100 mil mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos de imprensa

Brasil supera 100 mil mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos de imprensa

O total de óbitos registrados é de 100.240, com 2.988.796 casos da doença provocada pelo coronavírus. Primeira morte por Covid-19 foi registrada há quase cinco meses, em 12 de março. O coronavírus deixou mortos em 3.692 dos 5.570 municípios brasileiros, ou 66,2% do total.

O Brasil superou neste sábado (8) a triste marca de 100 mil mortes pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. O total de óbitos registrados é de 100.240, com 2.988.796 casos de Covid-19.
A primeira vítima foi uma mulher de 57 anos, que morreu em São Paulo em 12 de março - a morte foi divulgada no dia 17 daquele mês. Desde então, foram menos de cinco meses até a marca de 100 mil mortes. A Covid-19 deixou mortos em 3.692 dos 5.570 municípios brasileiros, ou 66,2% do total.
O Brasil é o segundo país em todo o mundo a atingir esse indicador com o Covid-19: em maio, os Estados Unidos chegaram a mais de 100 mil mortos, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. Hoje, são mais de 160 mil vítimas nos EUA. Da primeira morte, em fevereiro, à de número 100 mil, em 27 de maio, se passaram pouco mais de três meses.
Os números que colocam o Brasil em destaque negativo já superam o total de mortos em eventos como a Gripe Espanhola e a Guerra do Paraguai. Em outro comparativo, é possível apontar que apenas 324 dos 5.570 municípios brasileiros tinham, em 2019, mais de 100 mil habitantes, segundo o IBGE.
Famílias impactadas
São também, no mínimo, 600 mil pessoas impactadas: segundo estudiosos, o luto pode atingir de seis a dez pessoas por família. A pandemia impôs um sofrimento sem precedentes para centenas de milhares de brasileiros, que perderam entes queridos muitas vezes sem poder se despedir -- velórios e enterros passaram a ter restrições para reduzir a possibilidade de transmissão do vírus.
São histórias tristes como a do casal Francisca, 64 anos, e José Ariston, 69 anos, do Distrito Federal, que estavam juntos havia 42 anos e morreram na última semana com 14 horas de diferença. Nenhum dos dois pôde ser velado; foram enterrados no cemitério do Gama. A família acompanhou o sepultamento a distância. Rose Castro, de Marília, o interior de São Paulo, tampouco pode estar com a família no enterro do pai, Orioswaldo.
Ou de Flávia Carvalho, que morreu em 15 de julho em Teresina, no Piauí, deixando o marido e cinco crianças pequenas: Maria Cecília, que nasceu pouco antes de a mãe morrer, Isadora, de 2 anos, João Lucas e Miguel, de 3 anos, e Gerson, de 5 anos. Desempregado e com cinco filhos para criar, o homem ganhou a ajuda de vizinhos, que organizaram uma campanha para ajudá-lo.
Uma das questões que a pandemia impõe é como lidar com a dimensão das mortes. "Existe uma máquina de insensibilidade, e a gente tem o tempo todo o trabalho de reverter essa máquina de insensibilidade", disse o psicanalista Tales Ab'Saber ao podcast O Assunto sobre as 100 mil mortes. "Se a gente fizer uma reflexão, a Guerra do Vietnã matou 59 mil pessoas em dez anos. A gente tem 100 mil brasileiros mortos em quatro, cinco meses."
Perspectiva
O avanço da doença segue sem perspectiva de diminuição no Brasil: em 34 dos últimos 37 dias (todo o mês de julho e o início de agosto) morreram mais de mil pessoas por dia, segundo indica a média móvel de mortes.
Fortaleza, no Ceará, é a capital em que há proporcionalmente mais mortes no Brasil. Lá, o isolamento social dificilmente é cumprido. O estado de Goiás também enfrenta a pandemia com dificuldades, assim como a aldeia indígena em Jacareacanga, no Pará.
"Nós chegamos a essa tragédia por um acúmulo de erros", disse o médico Drauzio Varella.
Em entrevista à Globonews na última quinta (6), o médico lista alguns motivos: "Primeiro, nós não nos preparamos adequadamente para a chegada do vírus aqui, e, sabidamente, ele vinha". Drauzio lembrou que, apesar das recomendações de cientistas sobre a necessidade de isolamento para conter a disseminação do vírus, houve "contradição" nas orientações dadas à população pelos governos estaduais e o federal.
O presidente Jair Bolsonaro chegou a criticar o isolamento social, reconhecido como forma eficaz de contenção do vírus, e causou ainda aglomerações. "Todo o pessoal de ciência dizendo 'o isolamento é fundamental', e o governo federal apontando na direção oposta", disse Drauzio.
A única maneira de combater a doença em grande escala, segundo os especialistas, é uma vacina, que ainda não está disponível. Na última quinta (6), o governo federal assinou medida provisória para viabilizar a produção no Brasil de 100 milhões de doses de uma das mais promissoras vacinas em teste, a chamada "vacina de Oxford". O Instituto Butantan, de São Paulo, fechou acordo com o laboratório chinês Sinovac para produzir outra vacina bem-sucedida nos testes até agora contra o Covid-19.
Fonte: G1/Bem Estar

Nenhum comentário:

Post Top Ad

Anuncie conosco