Header Ads

Covid: Leitos clínicos pediátricos estão 100% ocupados na Bahia


Os leitos clínicos pediátricos para tratar a covid-19 alcançaram 100% de ocupação na Bahia, nesta quinta-feira (24). São 20 leitos no estado e todos ficam em Salvador. Na semana passada, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) distribuiu o primeiro lote de vacinas para aplicação em crianças de seis meses a 2 anos, enviado pelo Ministério da Saúde (MS) com 70 mil doses. A capital, segundo a prefeitura, começará a imunização desse público em breve.

O último boletim epidemiológico da Sesab, divulgado no começo desta semana [os dados agora são semanais e não mais diários], apontou crescimento de 195,3% de casos de covid-19 no estado, na comparação com a semana anterior. O número de casos ativos da doença chegou a 1.260, o que representa aumento de 51,2%. Foram cinco mortes notificadas nesse período. A aproximação do Verão com as aglomerações típicas da estação preocupa as autoridades.

Especialistas apontam que a vacinação é a principal arma de proteção contra o vírus que já matou 30.820 pessoas na Bahia, mas apenas 15% das crianças de 3 e 4 anos tomaram a primeira dose (D1). A segunda dose (D2) alcançou somente 5% do público. A Sesab ainda não tem dados sobre a aplicação da vacina em pessoas menores de 3 anos. Entre o público de 5 a 11 anos, 72% tomaram a D1 e 50% receberam a D2.

O professor de Medicina, Biomedicina e Farmácia da UniFTC, Lucas Santana, explica que a vacinação é importante para melhorar a qualidade de vida e a saúde física e mental das crianças. Ele acredita que a baixa adesão está atrelada a notícias falsas sobre a imunização e frisou que os boatos atrapalham outros processos e áreas da saúde.

“Os pais devem procurar uma unidade de saúde e vacinar as crianças. As novas variantes têm aumentado o número de casos nesses grupos e os estudos mostram resultados positivos da imunização, por isso, é preciso que haja esse estímulo. A vacina está relacionada também a saúde mental e emocional das crianças, que quando ficam isoladas, sem poder ir à escola, desenvolvem ansiedade e outras questões”, explicou.

O número de leitos adultos e pediátricos foi ampliado durante o período mais intenso da pandemia. Em Salvador, tendas foram montadas e unidades de saúde transformadas em hospitais de campanha, o que multiplicou a quantidade de leitos, mas com a queda nas internações, esses equipamentos foram desmobilizados. Atualmente, a Bahia tem 145 leitos clínicos adultos (72 ocupados) e 20 pediátricos (todos ocupados).


As novas variantes da Ômicron têm por característica provocar sintomas mais leves, por isso, a taxa de ocupação das UTIs tem ficado abaixo da metade. Em todo o estado, os leitos adultos têm 46% de ocupação e os pediátricos têm 40%. Mesmo assim, a estudante Daniela Silva, 25, não se descuida. “Estou usando máscara em ambientes fechados, tomei as vacinas e vou vacinar minha filha quando for autorizado, ela tem um ano e meio”, disse.


Medidas mais duras

Tanto o governador Rui Costa (PT), quanto o prefeito Bruno Reis (UB) disseram essa semana que estão monitorando o avanço da pandemia, mas descartaram adotar medidas mais duras nesse momento. Na terça-feira (22), na assinatura de protocolos de intenções para investimento de R$ 8 bilhões na Bahia, o governador disse que determinou a ampliação dos leitos do Hospital Espanhol se houver aumento na demanda.

“Houve uma pequena elevação, mas sem aumento significativo de óbitos, são internações para cuidados, por isso, a importância da vacinação. Se a situação sair de controle a gente volta a adotar medidas como a obrigatoriedade do uso da máscara, mas, por enquanto, os números não sinalizam a necessidade de tornar obrigatório, fica a recomendação”, disse.

Já o prefeito disse que está tomando medidas para o monitoramento, como a ampliação dos pontos de testagens, a retomada dos drive-thrus de vacinação e a recomendação para o uso de máscaras por idosos, pessoas com comorbidades, gestantes e pessoas com sintomas gripais.

“Além disso, estamos com os contratos mobilizados para se houver necessidade de ampliar os gripários e as tendas. Há efetivamente aumento no número de casos, mas ainda não são casos com a gravidade que coloque em risco a oferta que temos de leitos”, afirmou.

Nesta quinta (24), o governo do estado descartou a abertura de novos leitos, e a prefeitura informou que está acompanhando a situação e verificando a possibilidade e a necessidade dessa medida.

Vacinação

A Sesab afirma que os municípios já podem aplicar as doses anticovid nas crianças menores de 3 anos. “Para que os municípios iniciem a vacinação, basta que os profissionais já tenham passado pelo treinamento do Ministério da Saúde”, diz a nota.

A Secretaria de Saúde de Salvador (SMS), por sua vez, recebeu 3.170 imunizantes para aplicar a 1ª dose. Inicialmente, serão contempladas as crianças com comorbidades. Nesta sexta-feira (25) uma reunião será realizada para definir o fluxo de cadastro do público.

O deputado federal e médico, Jorge Solla, cobrou mais ação do governo federal durante um discurso na Câmara. “O número total de óbitos dessa faixa etária é o triplo em relação aos EUA, que rapidamente já vacinou seus bebês e suas crianças. A faixa etária abaixo dos 5 anos corresponde a 9% do total de internações pela doença atualmente no Brasil”.

A reportagem perguntou ao Ministério da Saúde quando um novo lote seria enviado para o estado e a quantidade de doses. O órgão disse apenas que disponibilizou para todos os estados e o Distrito Federal, 1 milhão de doses, e não informou sobre novos lotes.


A COVID  EM NÚMEROS

70 mil – Foi a quantidade de doses entregues pelo Ministério da Saúde para vacinação de crianças menores de 3 anos na Bahia;

15% - É a quantidade de crianças de 3 e 4 anos que tomaram a primeira dose e apenas 5% receberam a segunda dose;

12,7 milhões – É a quantidade de pessoas com 12 anos ou mais que devem se imunizar, 92% receberam a D1; 85% a D2; 59% a D3; e 46% a D4.

100% - É a taxa de ocupação dos leitos clínicos pediátricos na Bahia, são 20 leitos no estado. A enfermaria adulta está em 50%;

193% - Foi o crescimento no número de casos de covid-19 na comparação com a semana anterior;

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.