BEREU NEWS

Mulher conta que foi estuprada por vizinhos, tio e patrão; veja o relato

Ilustrativa / Pixabay

 

Atualmente com 41 anos, a mulher também contou os motivos de não ter denunciado os casos quando aconteceram

Uma mulher revelou que foi estuprada três vezes entre os 6 e os 19 anos por vizinhos, tio e patrão, no interior de São Paulo. Atualmente, com 41 anos, a vítima também contou os motivos de não ter denunciado os casos quando aconteceram.

Segundo a vítima, o primeiro abuso ocorreu aos 6 anos quando a família dela se mudou para uma fazenda. Ela fez amizade com uma vizinha e gostava de brincar de casinha e de boneca.

“Mas os outros irmãos dela começam a entrar no quarto também para ficar com a gente. E eu lembro que eles já eram adultos e eles começaram com algumas ‘brincadeiras’. Falavam que iam brincar de médico com a gente, apagavam as luzes. Aí eles começaram a tirar as nossas roupas e aí aconteciam os abusos. Eles tampavam as nossas bocas, minha e da irmã deles, pediam pra gente ficar quieta, que eles tiravam a mãos”, disse à EPTV.

Ela relatou que sofria ameaças depois dos abusos. “Nós ficávamos quietas e sempre diziam, sempre ameaçavam que a gente não podia contar nada para ninguém, porque senão algo de muito ruim ia acontecer com os nossos pais.”

O segundo abuso, cometido pelo tio, aconteceu em uma noite de Natal, quando ela tinha 11 anos. “Meus pais tinham acabado de se separar, e a gente sempre se reunia nos Natais, na casa da minha avó. Então, eu lembro que eu estava muito triste por conta dos meus pais, e um tio meu chamou eu e meus primos para a gente brincar. Aí, nós começamos a brincar de esconde-esconde, e meu tio pegou um cobertor, se cobriu e falou: 'vem cá, esconde aqui'. Aí, ele me colocou no colo dele e fez com que eu manipulasse o órgão [sexual] dele”, relembrou.

O terceiro abuso aconteceu aos 19 anos e foi cometido pelo patrão. O dono do escritório onde trabalhava pediu para ela começar a ir aos domingos para lançar itens do estoque do computador. “Ele estava do meu lado falando: ‘eu vou te ajudar, vou te falar dos números, você vai digitando’. Ele começou a colocar a mão no meio das minhas pernas, acariciar e oferecer ajuda. Ele falava: 'eu sei que você precisa, eu posso te ajudar'. Mas eu nunca aceitei nada além. E, assim que eu consegui outro emprego, eu pedi demissão e saí do trabalho”, contou.

A vítima ainda explicou os motivos pelos quais nunca denunciou os casos. Ela achava que ninguém ia acreditar nela. “Eu nunca denunciei porque, quando era criança, tinha medo por causa dos meus pais, deles sofrerem alguma coisa. Quando eu tinha 11 anos, eu não denunciei porque eu achava que ninguém acreditar em mim. Quando eu tive 19, eu não denunciei porque era uma cidade muito pequena. O dono do local tem posses, tem nome, então, assim seria difícil alguém acreditar em mim”, explicou.

Postar um comentário

Please Select Embedded Mode To Show The Comment System.*

Postagem Anterior Próxima Postagem

Publicidade 2

BEREU NEWS

Publicidade 3