Maurício Barbosa garante monitoramento de mortes de membros do PCC no presídio de Serrinha - BEREU NEWS

Últimas Notícias

Post Top Ad

Quer alavancar seu empreendimento? Anuncie sua marca aqui

Post Top Ad

ANUNCIE SUA EMPRESA CONOSCO

3 de novembro de 2020

Maurício Barbosa garante monitoramento de mortes de membros do PCC no presídio de Serrinha


 O secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa garantiu, durante a entrega de viaturas no Centro Administrativo da Bahia (CAB), nesta terça-feira (03), que está atento as situações das unidades prisionais do interior, em especial a do município de Serrinha, onde, na última semana mais um membro ligado a facção do PCC foi morto por supostos rivais. 

“Esse acompanhamento é feito principalmente pela Secretaria de Administração Penitenciária, nós temos apoiado muito eles, são feitas buscas semanalmente, em quase todas as unidades, prendendo armas e celulares. Sobre os óbitos estamos atentos se há realmente essa rixa entre facções motivando essas mortes dentro das unidades especializadas”, disse o gestor. 

Questionado se há estudos para desarticulação de facções na Bahia, no modelo da ‘lava jato da PCC’, Maurício destacou o trabalho de inteligência da pasta aliada a Polícia Federal na apreensão de drogas no estado. “As grandes facções do Brasil são distribuidoras como grandes atacadistas do ilícito no Brasil, não estão necessariamente na boca do fumo, isso acontece muito no Nordeste, elas (facções) criam alianças. Nisso, a gente tem atuado com a PF para apreender esse material antes que chegue ao consumidor final através de acompanhamento do trabalho do narcotráfico. Só esse ano em uma das operações foram 16 toneladas de drogas retiradas do mercado”, explicou. 

O secretário apelou, ainda, para que haja uma política pública efetiva para incentivar o conhecimento dos malefícios das drogas desde cedo e com isso enfraquecer o mercado de consumo do ilícito. “A dinâmica do crime é previsível dentro de uma perspectiva de enfraquecimento de uma facção e ascensão de outra, é eterno o ciclo, infelizmente. O tráfico sobrevive como qualquer outro comércio, temos que pensar em enfraquecer o consumo e não a guerra, como temos visto nos Estados Unidos que gasta bilhões de dólares na repressão e eles seguem se mantendo nos primeiros lugares do mercado consumidor”. 

Nenhum comentário:

Post Top Ad

Anuncie conosco