Header Ads

Aplicativo que alerta população sobre disparos de armas de fogo vai funcionar na Bahia a partir de 1º de julho


Fogo Cruzado funciona de forma colaborativa e anônima, a partir do registro de dados e informações sobre tiroteios e violência por arma de fogo

O aplicativo Fogo Cruzado, que alerta a população sobre disparos de armas de fogo, passa a funcionar na Bahia, em Salvador e na Região Metropolitana, a partir de 1º de julho. A ferramenta funciona de forma colaborativa e anônima, a partir do registro de dados e informações sobre tiroteios e violência por arma de fogo.


Presente desde 2016 mapeando a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, e desde 2018 mapeando a Região Metropolitana do Recife, o app foi criado pelo Instituto Fogo Cruzado, e chega à Bahia não apenas para alertar às pessoas sobre os disparos, mas, também, para produzir dados, análises e identificar informações muitas vezes ocultadas pelos órgãos de segurança pública dos governos municipais e estaduais.

 

A Salvador e RMS foram escolhidas para a expansão do aplicatvo por alguns fatores: a Bahia é o estado onde há mais homicídios no nordeste; há pouca transparência em dados públicos e pouca diversidade de informação; alta taxa no homicídios por arma de fogo; mortes em ações policiais são quase 20%; região com maioria da população negra e consequentemente sofrimento com o racismo institucional; relação territorial com tráfico internacional de armas e drogas; atuação de oito facções na Bahia, que só perde para o Rio Grande do Sul, que possui 13.

 

Para baixar o aplicativo, basta escrever “Fogo Cruzado” nas buscas para sistemas iOS ou Android. A ideia é que o usário que presenciar trocas de tiros registre no aplicativo. Todas as informações enviadas possuem geolocalização e todo mês é divulgado um relatório dos dados computados.

 

Além de receber notificações de usuários diretamente via aplicativo de forma anônima, a equipe de gestão de dados do Fogo Cruzado também adiciona à base de dados as informações coletadas via imprensa e canais das autoridades policiais.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.